Exposição “Frida e eu” chega a São Paulo

Nesta semana, comemoramos o Dia Internacional da Mulher (8 de março), e nada melhor do que homenagearmos mulheres fortes, que marcaram época, e escreveram seu nome na história. Certamente você já  deve ter ouvido falar de Frida Kahlo, não é?

Se você já a conhece esta será a oportunidade de entender melhor o universo da pintora mexicana, mas se você nunca ouviu falar desta simpática senhora de sobrancelhas marcadas esta ai a sua chance. E o melhor tudo através da ótica do universo infantil.

A partir do dia 11 de março, as crianças têm a chance de conhecer melhor o universo da pintora mexicana Frida Kahlo.

 

Sucesso de público na França, México, Inglaterra e Rio de Janeiro, a exposição “Frida e eu” – uma iniciativa da Bacuri Cultural com patrocínio da Brasilprev – conta a história da pintora mexicana. Não se trata de uma exposição de obras do acervo de Frida, mas sim, de uma experiência interativa que permite aos visitantes se relacionarem com a arte e sentirem que museu também é lugar para as crianças.

A exposição ficará em cartaz até 30 de junho na Unibes Cultural, localizada ao lado do metrô Sumaré. Primeira artista latino-americana a ter um quadro vendido por um milhão de dólares, Frida Kahlo é mundialmente conhecida por sua arte repleta de cor e com uma pitada de agonia.

 

A mostra é composta por seis eixos temáticos:

  • Frida e o autorretrato: A criança é convidada a criar a “sua” Casa Azul, conhecida residência onde a artista morou em diversas fases de sua vida.
  • Frida e Família: Duas estações que trazem à tona a árvore genealógica da pintora e como ela é formada, levando a criança a resgatar as suas origens. Na primeira delas, há figuras de rostos e imãs que podem ser colocados de acordo com a visão de cada criança, formando assim o que seria a ascendência de Frida. Na segunda, numa tela, os visitantes têm que identificar cada um dos familiares da artista, por meio de fotos.
  • Frida e a dor: Frida sofreu um grave acidente aos 18 anos, que a deixou presa à cama por muito tempo e marcou o início da sua relação com a pintura. Com um espelho no teto e um cavalete adaptado, a artista começou a pintar. Nesse ambiente, composto por cadeiras desconfortáveis, o visitante é convidado a se sentar em diferentes posições e a experimentar novos olhares e pontos de vista. Além disso, todos podem montar o quebra-cabeça de um esqueleto de espuma com as marcações dos principais pontos de dor espalhados pelo corpo da pintora. A estação propõe a discussão sobre a dor e os obstáculos que a vida impõe. Mostrando formas distintas de lidar com essas questões e apresentando novas perspectivas diante dos problemas.
  • Frida e a natureza: A artista viveu cercada de animais e plantas. Neste espaço, as crianças têm a oportunidade de identificar animais por meio de reprodução sonora, além de participar de um jogo interativo para descobrir seu “animal de alma”, segundo a tradição asteca.
  • Frida e Diego: Frida e Diego Rivera formaram um casal apaixonado, que tinha os mesmos interesses. Tinham muitos pontos em comum e também algumas diferenças notáveis entre eles: Diego tinha 20 anos, 20 centímetros e 20 quilos a mais que Frida. A ideia é promover a comparação, sempre de maneira lúdica, entre características físicas e o que gera essas diferenças.
  • Frida e Paris: A ‘mesa surrealista’ é a exploração daquele universo em que tudo parece meio “sem pé nem cabeça”. O quebra-cabeça pode ser montado da maneira tradicional, mas também é possível fazer surgir criaturas surreais ao trocar os pares e recombinar as peças.

Durante o período em que a exposição ficará em São Paulo, acontecerão ainda diversas oficinas, todas elas ligadas ao universo da pintora.

 

“A exposição traz à Unibes Cultural uma história de superação por meio da arte, mas também de uma vida de preconceito, de conquista do espaço da mulher e de reinvenção a partir da deficiência. Tudo isso se alinha com a atuação do nosso centro cultural e com os preceitos que regem a Unibes, instituição centenária de assistência social” diz Bruno Assami, diretor executivo da Unibes Cultural. E complementa: “Além disso, temos como principais eixos a intergeracionalidade, a convivência e a inclusão, e nada melhor do que uma mostra que interessa a todos, com a vida dessa grande artista que sempre esteve à frente do seu tempo”.

A exposição estará aberta de segunda a sábado, das 10h30 às 19h30. Os ingressos custam entre R$ 12,00 e R$ 30,00 e devem ser adquiridos no site www.sympla.com.br. Às segundas-feiras, a entrada é gratuita, sendo necessário reservar previamente os ingressos via Sympla.

 

Serviço:

Evento: Frida e eu

Data: 11/03/17 a 30/06/17, segunda a sábado

Horário de visitação: das 10h30 às 19h30

Endereço: Rua Oscar Freire, 2.500 – Sumaré – São Paulo/SP (ao lado do metrô Sumaré)

Telefone: (11) 3065-4333

Valores: Os ingressos devem ser adquiridos pelo site http://www.sympla.com.br/

  • Segunda-feira: gratuito
  • Terça-feira à sexta-feira: R$ 24,00 (inteira) e R$ 12,00 (meia)
  • Sábado: R$ 30,00 (inteira) e R$15,00 (meia)
  • Aos domingos o espaço não abre

Importante: Estudantes, idosos e professores pagam meia entrada (necessária a apresentação de documento de identificação ou carteira de estudante).

Faixa etária recomendada: a partir de 4 anos

Como chegar: A Unibes Cultural fica ao lado da estação Sumaré do metrô (linha verde). A linha de ônibus que passa no local é a 817c/10 (Lapa-Clínicas).

Estacionamentos conveniados: Rua Oscar Freire, 2.617 | Rua Amália de Noronha, 127

Informações adicionais: O espaço é acessível, possui elevadores, cafeteria, ar-condicionador, banheiro com trocador e wi-fi.

http://fridaeeu.com.br

Deixe uma resposta